More
    PUBLICIDADE

    Ex-roteirista de Gilmore Girls relembra busca para o papel de Logan Huntzberger

    Em The Girls: From Golden to Gilmore, o roteirista, produtor e diretor Stan Zimmerman narra o trabalho em séries como Supergatas, Roseanne e Gilmore Girls.

    Data:

    Publicado originalmente pelo The Hollywood Reporter em 09/02/2024

    Warner Bros. Entertainment Inc.

    Para entrar na sala dos roteiristas durante a quinta temporada de Gilmore Girls, foi necessário sentar-se com papel e caneta para fazer anotações sobre todas as histórias anteriores e “muito café”, como reflete o roteirista Stan Zimmerman em The Girls: From Golden to Gilmore.

    Em seu livro de memórias, que acaba de ser lançado nos Estados Unidos pela Indigo River Publishing (você pode adquirir a versão em inglês para Kindle por R$ 49,24), Zimmerman narra a época em que trabalhou na série, bem como sua jornada para alcançar o sucesso como roteirista, produtor, diretor e dramaturgo, trabalhando em séries como Supergatas (The Golden Girls) e Roseanne. Com registros em seu diário, The Girls também detalha os relacionamentos de Zimmerman com várias estrelas, incluindo Lily Tomlin, Sandra Bernhard, Lauren Graham, Alexis Bledel e o elenco de Supergatas.

    Indigo River Publishing

    Depois de começar a escrever durante a quinta temporada de Gilmore Girls, de Amy Sherman-Palladino, Zimmerman relembra a busca de elenco para o personagem Logan Huntzberger, o interesse amoroso de Rory em Yale, que viria a ter um grande arco de história ao longo da temporada. Durante as audições, Zimmerman notou Matt Czuchry, que, segundo ele, parecia ter a aura de “herdeiro” do personagem, e ofereceu sua opinião a Sherman-Palladino sobre por que ele seria a escolha perfeita para o papel.

    “Apesar de eu não aprovar todas as escolhas do personagem nas temporadas seguintes e no revival, sempre serei Team Logan”, escreveu Zimmerman.

    Abaixo, o The Hollywood Reporter compartilha um trecho traduzido por nós.

    De acordo com as instruções de Amy, pediram que assistíssemos a TODOS os episódios que já tinham ido ao ar. Ela queria que ficássemos a par de todas as histórias antes de começarmos a trabalhar. Acho que eu só tinha assistido ao episódio piloto, o que significava quatro temporadas de episódios para assistir. Duas caixas enormes e compridas chegaram à minha porta vindas do estúdio. Isso foi antes dos DVDs existirem, então havia literalmente oitenta e sete fitas de vídeo que eu tinha que levantar do sofá e inserir no meu videocassete.

    Tranquei-me em casa e me sentei com caneta e papel, pronto para fazer anotações. E muito café. O que combinava com a série. Eu não tinha certeza de como conseguiria assistir fisicamente a todos eles em um fim de semana. Sem perder a cabeça.

    Decidi que começaria assistindo novamente ao episódio piloto, que achei muito bem construído. A ideia de Lorelai e Rory serem forçadas a jantar semanalmente às sextas-feiras com os pais de Lorelai, de quem ambas estavam afastadas, foi absolutamente brilhante. E o fato de ter atores de cinema/teatro tão ilustres como Kelly Bishop (A Chorus Line) e Edward Hermann nos papéis de “Emily e Richard Gilmore” me impressionou.

    Mas o coração da série era Lorelai e Rory. Uma mãe e uma filha que eram mais como amigas. Tenho que admitir que me apaixonei por Lauren Graham no momento em que ela apareceu na tela. Obviamente, ela é uma verdadeira beldade, mas seu timing cômico, sua sagacidade e sua inteligência eram extraordinários. E a recém-chegada Alexis Bledel era tão natural que conseguia atrair você. Você não conseguia tirar os olhos de nenhuma delas. Você também não podia deixar seus ouvidos descansarem nem por um segundo, pois elas falavam muito rápido. Amy queria que a série tivesse a velocidade dos antigos filmes de comédia maluca dos anos 1940. E ela também usou uma técnica chamada “buttons” usada em sitcoms para terminar as cenas, que raramente é usada em séries de uma hora. Tudo isso contribuiu para tornar Gilmore Girls uma série única. O que começou como uma tarefa árdua para eu assistir, rapidamente se tornou viciante.

    A redação de séries de televisão geralmente começa em junho, portanto, é possível dar um salto nos roteiros antes da estreia da série no outono. Depois que os episódios começam a ir ao ar, é um jogo de acompanhamento. E de manter a força, porque é muito cansativo. Você está contando histórias e, ao mesmo tempo, escrevendo seus próprios episódios, reescrevendo outros, escalando o elenco e editando outros.

    Embora Amy e Dan morassem em uma casa mediterrânea superfabulosa de dois andares em Hancock Park, eles alugaram uma casa grande e moderna na praia de Santa Monica. Tivemos que dirigir até lá durante todo o verão, de segunda a sexta-feira, para trabalhar no mapeamento da primeira metade da temporada.

    No primeiro dia, Jim e eu nos encontramos em um estacionamento perto da casa deles para que pudéssemos entrar juntos. Fazia muito tempo que não trabalhávamos na equipe e não sabíamos bem o que esperar. Chegamos cedo para o caso de haver trânsito. Sentamos no carro do Jim e ficamos repassando os “e se”, como eu havia feito com a minha mãe antes de começar um novo ano letivo.

    De repente, vimos uma linda garota loira em um vestido curto de camponês, com um grande chapéu e sandálias. Ela era uma visão de um filme estrangeiro dos anos 1960. Vinte minutos depois, ficamos sabendo que era Rebecca Kirshner (Buffy, a Caça Vampiros), outra roteirista da série. Além dela e de Bill Prady, havia Jessica Queller (One Tree Hill), que passava boa parte do tempo embaixo de um cobertor no sofá. É claro que nos aproximamos das roteiristas mulheres. E também a assistente de roteirista, Lisa Randolph. Assistente de roteirista é um trabalho muito difícil, e Lisa era uma supermulher. E muito engraçada. Ela se tornou nossa melhor amiga, e sempre almoçávamos juntos e nos metíamos em confusão nos estúdios. Ela esteve em Gilmore por algumas temporadas e sabia onde todos os corpos estavam enterrados. Mas Jim e eu tivemos que informar aos outros membros da equipe que, embora fôssemos amigos de Amy, eles podiam dizer qualquer coisa perto de nós. Nós não iríamos correr e contar a ela. E não o fizemos.

    Durante dois meses e meio, fomos para a casa de praia deles. Eles nos trancavam em um cômodo e fechavam as persianas, de modo que não podíamos nem ver a bela areia e a água. Tudo o que podíamos ver era este quadro branco. No início, discutimos os arcos dos personagens.

    Amy queria que a quinta temporada fosse sobre casais se unindo e se separando e, finalmente, no final, voltando a ficar juntos. Eu achei isso superlegal. Também adorei o fato de ela plantar uma semente em um episódio inicial e, depois, essa semente acabar se transformando em uma história completa em um episódio futuro. Isso não é normal em séries. Normalmente, as histórias são autocontidas em cada episódio.

    A sala estava tensa. Amy e Dan não pareciam gostar muito de nenhuma das sugestões de Bill. Nem sei se eles precisavam de uma sala de roteiristas, já que tinham um controle tão firme sobre o que queriam. Então, todos nós tivemos que nos sentar ali. Horas a fio. O único momento em que tínhamos um intervalo era quando íamos ao banheiro. Eu levava o máximo de tempo possível sem levantar suspeitas de problemas na bexiga. É engraçado — é exatamente o oposto do tempo em que eu evitava banheiros no Ensino Fundamental. Agora, eu mal podia esperar para ir a um.

    Gostei muito quando nos mudamos para o lot da Warner Brothers. Nosso escritório se tornou o local onde a equipe se reunia. Mantínhamos a porta do escritório aberta e, todas as manhãs, Amy (e Dan), nem sempre chegando juntos, passavam por ela.

    Eu dava um grande sorriso, acenava e dizia: “Bom dia!“”.

    Nenhuma resposta. Nada. Nem mesmo um aceno. Ela simplesmente continuava andando. No início, fiquei magoado com isso, mas logo percebi que não deveria levar para o lado pessoal. Esse era simplesmente o jeito dela.

    Meu jeito é diferente. Acho que é importante, quando se é o showrunner ou um chefe em qualquer trabalho (na verdade, na vida), ser gentil e cumprimentar. E, principalmente, “obrigado” a TODOS. As pessoas trabalharão mais para você se se sentirem valorizadas e parte de uma equipe. Além disso, o ambiente fica mais agradável. Especialmente se vocês tiverem que ficar juntos o dia todo e, às vezes, até tarde da noite.

    Exceto por aquela estranheza matinal, Amy foi ótima comigo e com Jim. Ela é conhecida por reescrever totalmente o roteiro de todos. Ela cobria sua mesa com velas e ficava acordada a noite toda, colocando o roteiro em seu cérebro. Um cérebro complicado, mas genial. Os roteiros sempre ficavam melhores. E com mais camadas. E mais inteligentes. E mais engraçados.

    Por alguma razão, muitas de nossas palavras permaneceram em nossos roteiros. Mas era muito difícil escrevê-los. A maioria das séries de uma hora têm talvez sessenta e poucas páginas. Pense em um minuto por página. Os roteiros de Gilmore Girls tinham de setenta e cinco a noventa páginas porque os personagens falavam muito rápido. O que me ajudou a escrever foi o fato de eu poder me basear nos relacionamentos que vi entre minha avó, minha mãe e minha irmã. Elas definitivamente compartilhavam semelhanças com Emily, Lorelai e Rory.

    Embora tivéssemos nosso nome em dois roteiros fundamentais, “Pulp Friction” e “Norman Mailer, I’m Pregnant”, quando você escreve para a equipe, você tem em mãos todos os roteiros de uma temporada. Eventualmente, você se esquece de quais falas contribuiu para cada um deles.

    Amy também fez algo incomum para uma série de uma hora: Ela fazia leituras de mesa do roteiro da semana seguinte na sexta-feira antes do início das filmagens. Quando chegamos para a primeira leitura de mesa, em um dos carrinhos de golfe que estão espalhados pelos estúdios, vi Lauren Graham parada em frente à sua caminhonete fumando um cigarro, como Lorelai Gilmore faria. Fui direto até ela. Eu tinha que ir. Eu queria me emocionar, mas fui calmo. Não queria parecer um esquisito.

    Ela ficou chocada por eu ter me aproximado dela de forma tão descarada.

    Lauren: “É melhor você não deixar a Amy te ver. Ela não gosta que os roteiristas conversem com os atores. Você pode ser demitido”.

    Será que a Amy aprendeu isso com a Roseanne?

    Eu respondi: “Ela que me demita. Estamos aqui apenas por um ano. Eu aceitaria de bom grado o salário e ficaria em casa”.

    Lauren adorou minha atitude incisiva e logo nos tornamos amigas, dentro e fora do set. Eu também era alguém com quem ela podia desabafar sua frustração ocasional, já que eu tinha um histórico com Amy. Mas nós também tínhamos respeito mútuo e muita admiração por Amy, então nunca foi algo mesquinho ou dramático. Era apenas uma conversa normal sobre o trabalho.

    Amy sabia que eu queria ser diretor e me fez ler as instruções do roteiro em todas as leituras de mesa. Eu nunca tinha certeza de quais falas de ação dizer, pois não queria interromper o fluxo do diálogo rápido. Meu estômago dava voltas ao saber que eu tinha que fazer isso toda semana. E se a Lauren continuasse falando, eu tinha que seguir o exemplo dela e calar a boca. Logo aprendi a lidar com isso.

    Em muitas das leituras, Kelly e Ed ficavam no viva-voz da sala de conferências, pois moravam na Costa Leste e não participavam de todos os episódios. Algumas vezes, tivemos Milo Ventimiglia e Jared Padalecki nas leituras. Ambos foram muito simpáticos e muito fofos. Certa vez, não sei bem por que, mas Alexis literalmente me pegou no colo e me carregou pela sala em seus braços. Isso foi estranho, pois ela era uma jovem magra. E eu havia sido avisado de como ela era tímida. Mas, para mim, não era incomum, pois sempre me pegam fisicamente em bares quando saio. Como uma bola de praia humana. Por alguma razão, as pessoas sentem a necessidade de me levantar no ar. Acho que é um elogio?

    Falando em homens jovens e bonitos, todos nós sabíamos que precisávamos de um para interpretar Logan Huntzberger, o novo interesse amoroso de Rory em Yale. E ele tinha que ser um ator muito bom, já que teria um arco de história importante durante toda a temporada. O escritório da seleção de elenco ficava do lado de fora da sala dos roteiristas e, por isso, era comum vermos atores esperando para fazer testes para Jami Rudofsky e Mara Casey, a equipe de diretoras de elenco da série.

    Certa manhã, ao entrar na sala, vi dois atores jovens e adoráveis sentados um em frente ao outro em sofás. Meus olhos se voltaram para o loiro.

    Quando entrei na sala dos roteiristas, perguntei a Amy: “Quem são esses caras?” Amy: “Nossos dois últimos escolhidos para interpretar ‘Logan’.”

    Eu disse sem rodeios: “Vocês têm que contratar o loiro!”

    Era Matt Czuchry.

    Amy: “Por quê?”

    Eu: “Não sei. Apenas tenho essa sensação. Além disso, acho que a cor dele ficaria ótima em contraste com a Alexis”.

    E ficou mesmo. Ele também tinha cara de “herdeiro”.

    Portanto, embora eu não aprove todas as escolhas de seu personagem nas temporadas posteriores e no revival, sempre serei “Team Logan”.

    Anos depois, encontrei Matt em Nova York, em um elevador, subindo para uma festa da TCA (Television Critics Association). Eu lhe disse que ele devia toda a sua carreira a mim e que eu receberia todos os créditos pelo seu sucesso. Nós rimos muito. Eu estava apenas brincando.


    Extraído de The Girls: From Golden to Gilmore, de Stan Zimmerman. Publicado pela Indigo River Publishing. Copyright © 2024 por Stan Zimmerman. Todos os direitos reservados. Reproduzido com autorização do autor.

    Gostou deste artigo? Então leia outras notícias aqui. Siga, também, o GGBR no Instagram, acompanhe nosso Twitter, curta nossa página no Facebook, veja suas cenas favoritas em nosso TikTok, participe do nosso canal no Telegram e inscreva-se no nosso canal do YouTube.
    Gilmore Girls Brasil
    Gilmore Girls Brasilhttp://gilmoregirls.com.br
    Equipe do site brasileiro com o maior conteúdo dedicado à série Gilmore Girls.